Report Gartner

Gartner® Market Guide 2023 para plataformas de IT Service Management 

Acesse seu
Portal do cliente agora!

Conecte-se com o
Suporte ao cliente agora!

Blog

Consulte o blog da EasyVista para se manter atualizado sobre as últimas notícias, tendências e melhores práticas em matéria de transformação digital. Deixe que a EasyVista o mantenha atualizado e na vanguarda de uma indústria em constante mudança.

Centro de Recursos

Temos o compromisso de fornecer recursos que o ajudem a atender a todas as suas necessidades de software ITSM.

Webinars e Eventos

Mantenha-se atualizado sobre nossos mais recentes webinars e eventos ITSM, ITOM ou ESM agora

As últimas novidades da EV

Mantenha-se atualizado sobre as últimas notícias e eventos da EasyVista.

EasyVista | 26 Fevereiro 2024

Porque é Que o Seu Departamento de IT Precisa de Um Plano de Resposta a Incidentes e Como Começar

Esta é a sua realidade: o cenário de ameaças cibernéticas que enfrenta é mais diversificado e sofisticado do que nunca. E sabe que os ataques cibernéticos e os erros cibernéticos humanos podem causar estragos em organizações de todas as dimensões—colocando em risco dados confidenciais, interrompendo as operações e prejudicando a reputação. É exatamente por isso que é essencial ter um Plano de Resposta a Incidentes (PIR) robusto. Este artigo explora a razão pela qual todas as organizações precisam de um IRP e como este serve como uma linha de defesa vital na salvaguarda dos seus interesses comerciais. 

Com um IRP bem executado, é possível minimizar o impacto de incidentes, reduzir o tempo de inatividade e recuperar rapidamente dos desafios de segurança cibernética. Isto acabará por reforçar a resiliência da sua equipa face à evolução das ameaças. 

O que é um Plano de Resposta a Incidentes (PIR)? 

Um Plano de Resposta a Incidentes (também conhecido como plano de gestão de incidentes ou plano de gestão de emergências) é um quadro estruturado das medidas a tomar antes, durante e depois da ocorrência de um incidente cibernético. Foi projetado para ajudar as organizações a responder (e recuperar) de forma eficaz a violações de segurança, violações de dados e outros incidentes críticos.  

Outra forma de pensar num IRP: 

Como as paredes de um trampolim para evitar que uma criança caia da borda (ou seja, evitar que uma ameaça aconteça), e a mãe pronta com um kit de primeiros socorros para parar o sangramento e prevenir a infeção da ferida se o seu filho cair acidentalmente (ou seja, evitar futuras interrupções no sistema e nas operações da ameaça cibernética). 

Na sua essência, um IRP: 

  • Regista um incidente 
  • Avalia rapidamente o incidente e responde em conformidade 
  • Notifica as partes necessárias (as que fazem parte da Equipa de Resposta a Incidentes) 
  • Determina a gravidade do incidente e responde conforme necessário 
  • Auxilia nos esforços de recuperação do negócio depois da ameaça já não ser iminente  

Ao planear proativamente ataques por malware, ataques cibernéticos, desastres naturais (e muito mais!) com um IRP, as organizações podem reduzir o tempo de inatividade, minimizar as perdas financeiras e proteger a reputação da sua marca.  

Qual a Importância de um Plano de Resposta a Incidentes de TI? 

Com as violações de dados regularmente nas manchetes, as consequências de uma resposta inadequada a incidentes podem ser graves—desde coimas regulamentares e responsabilidades legais até à erosão da confiança do cliente e desvantagem competitiva. 

Uma única violação de segurança ou fuga de dados pode manchar a imagem de uma marca e corroer a confiança do cliente de um dia para o outro. 

Basta olhar para os ataques de ransomware do TeamViewer (o segundo ataque deste tipo registado desde 2016) ou para o Royal Mail, que gastou cerca de 10 milhões de libras em  medidas de reparação de resgates em 2023. 

Face a estas ameaças crescentes, a importância de um IRP e a capacidade que este traz ao antecipar e responder proativamente a incidentes, não pode ser exagerada. Um IRP estabelece claramente funções e responsabilidades, define procedimentos de escalonamento e descreve as tecnologias necessárias para apoiar qualquer esforço de resposta. A linha de base do que precisa de ser melhorado (ou seja, encontrar potenciais vulnerabilidades) pode ser encontrada através da realização regular de avaliações de risco e exercícios baseados em cenários (por exemplo, exercícios de mesa). Esta abordagem proativa permite que as empresas reforcem os controlos de segurança, implementem mecanismos de monitorização robustos e reforcem as capacidades de deteção de incidentes.  

7 Benefícios de um IRP 

  • Os protocolos de comunicação estabelecidos restauram a confiança e a credibilidade entre os acionistas, mantendo-os informados e atualizados sobre o estado do incidente 
  • A redução da exposição a perdas financeiras com protocolos e funções estabelecidas preserva o valor do acionista 
  • A minimização do tempo de inatividade através de processos de resposta simplificados e automatizados facilita uma recuperação rápida 
  • Deteção precoce de ameaças – reduz a necessidade de lançar um plano de recuperação de desastres (DR) 
  • Decisões informadas sobre a afetação de recursos e estratégias de mitigação de riscos promovem o que é importante e o que é conveniente ter para os serviços cibernéticos 
  • Maior preparação para futuras ameaças para continuar a crescer e a aprender sobre a melhor (e mais rápida) forma de mitigar as ameaças cibernéticas 
  • Permanecer em conformidade com a regulamentação 

Não Construa um IRP do Zero: Estruturas de IRP a Considerar 

Poupe algum tempo ao desenvolver um IRP e utilize uma estrutura de IRP que os líderes de pensamento de segurança cibernética de TI tenham desenvolvido. As estruturas mais comuns são o "Computer Security Incident Handling Guide" do National Institute of Standards and Technology (NIST) e o "Incident Management 101" do SANS Institute. Ambos respondem: 

  • O quê – Que ameaças e situações constituem incidentes de segurança em que é necessário atuar? O que tem de acontecer quando estes ocorrem? 
  • Quem – Quem é responsável por quais tarefas em caso de incidente? Como devem ser contactados? 
  • Quando – Quando é que os membros da equipa de RI devem executar as suas tarefas específicas?  
  • Como – Como é que os membros da equipa devem concluir as tarefas de RI que lhes foram atribuídas.

Estes dois quadros são permutáveis (e semelhantes). Ambos são ótimas opções para utilizar e podem ser ajustados às suas necessidades. Escolha um: 

Os 4 Estágios de "Computer Security Incident Handling Guide" do NIST 

  1. Preparação: Estabelecer um plano de resposta a incidentes, definir funções e garantir que as ferramentas e recursos necessários estão disponíveis. 
  2. Deteção e análise: Monitorização de potenciais incidentes, identificação da sua natureza e análise do impacto no sistema. 
  3. Contenção, erradicação e recuperação: Tomar medidas rápidas para limitar o alcance do incidente, eliminar a ameaça e restabelecer o funcionamento normal dos sistemas.  
  4. Atividade pós-incidente: Documentar e analisar o processo de resposta a incidentes, reunir lições aprendidas e atualizar o plano de resposta a incidentes para melhorias futuras.

Os 6 Estágios de "Incident Management 101" do SANS Institute 

  1. Preparação: Construir uma base sólida, estabelecendo canais de comunicação, definindo funções e assegurando a disponibilidade de recursos para a resposta a incidentes. 
  2. Identificação: Reconhecer e confirmar a ocorrência de um incidente de segurança. 
  3. Contenção: Implementação de medidas para evitar mais danos ou comprometimento. 
  4. Erradicação: Eliminar a principal causa do incidente do ambiente. 
  5. Recuperação: Restaurar sistemas e dados para operações normais, monitorizando de perto quaisquer sinais de problemas persistentes. 
  6. Lições aprendidas: Avaliar o processo de resposta a incidentes, identificar áreas para melhoria e aplicar os conhecimentos adquiridos com o incidente para melhorar as respostas futuras.

 

Como Criar um IRP 

A Criação de um Plano de Resposta a Incidentes (IRP) é um passo crucial na proteção da sua organização contra violações de segurança e outros incidentes cibernéticos críticos. Segue-se um resumo das principais etapas envolvidas no desenvolvimento de um IRP eficaz para sua empresa: 

  1. Estabeleça uma Equipa de Resposta a Incidentes – Forme uma equipa dedicada composta por representantes de vários departamentos, incluindo TI, segurança, jurídico, comunicações, recursos humanos e liderança executiva. Os membros da equipa devem ter funções e responsabilidades claramente definidas no âmbito do processo de resposta a incidentes.

DICA: O NIST recomenda três modelos para Equipas de Resposta a Incidentes. No modelo Central, um grupo lida com a resposta a incidentes para toda a empresa. O modelo Distribuído tem várias equipas de resposta a incidentes e cada equipa supervisiona uma localização física. O modelo Coordenado combina uma equipa central de resposta a incidentes e equipas de resposta distribuídas, mas nenhuma tem autoridade sobre a outra — trabalham em conjunto para oferecer ajuda e apoiar incidentes em toda a organização.  

  1. Identifique ativos e riscos – Realize uma avaliação exaustiva dos ativos da sua organização (por exemplo, hardware, software, repositórios de dados e redes) e dos processos empresariais críticos. Encontre potenciais vulnerabilidades e riscos que possam afetar a confidencialidade e disponibilidade destes ativos.

  2. Definir a Classificação de Incidentes – Desenvolver um esquema de classificação para categorizar incidentes com base na sua gravidade, impacto e urgência. Estabelecer critérios claros para a classificação de incidentes. Defina níveis de gravidade para dar prioridade aos esforços de resposta e atribuir recursos de forma eficaz.

  3. Desenvolva Procedimentos de Resposta a Incidentes – Defina procedimentos passo a passo para responder a diferentes tipos de incidentes – tem de ser fácil de compreender e seguir pelos membros da equipa. Defina caminhos de escalonamento, canais de comunicação e prazos de resposta para garantir uma resposta coordenada e atempada. Especifique as responsabilidades de cada membro da equipa (por exemplo, coordenadores de incidentes, investigadores, comunicadores e especialistas técnicos).

  4. Estabelecer Mecanismos de Deteção e Comunicação – Implementar Ferramentas de monitorização, sistemas de deteção de intrusão e soluções de gestão de registos para detetar e alertar a empresa para atividades suspeitas e quaisquer incidentes de segurança. Defina procedimentos para comunicação de incidentes (interna e externamente) com help desk de TI, o centro de operações de segurança (SOC), as autoridades reguladoras e as autoridades policiais.

  5. Desenvolver Estratégias de Mitigação – Definir estratégias e táticas para conter e mitigar o impacto dos incidentes cibernéticos. Estabeleça protocolos para isolar os sistemas afetados, desativar contas comprometidas e implementar soluções temporárias para restaurar serviços essenciais à empresa. 

  6. Coordenar Atividades de Resposta a Incidentes – Estabeleça um centro de comando centralizado de resposta a incidentes para facilitar a comunicação, a colaboração e a tomada de decisões durante o processo de resposta. Realizar atualizações regulares do estado para manter as partes interessadas informadas e alinhadas sobre as prioridades de resposta. Documente todas as ações realizadas, decisões tomadas e lições aprendidas durante o ciclo de vida do incidente.

  7. Teste o Plano de Resposta a Incidentes – Realize exercícios de mesa, exercícios de simulação e sessões de formação baseadas em cenários para validar a eficácia do IRP. Posteriormente, identifique as áreas de melhoria e avalie o grau de preparação da organização para responder a diferentes tipos de incidentes (por exemplo, ciberataques e violações de dados). Certifique-se de que incorpora o feedback dos exercícios TTX para melhorar o IRP.

  8. Reveja e Atualize o IRP – Reveja e atualize regularmente o IRP para refletir quaisquer alterações na tecnologia (ou seja, as ferramentas utilizadas), nos regulamentos (permanecer em conformidade), processos empresariais e cenário de ameaças. Realize revisões pós-incidente para analisar a eficácia dos esforços de resposta e identificar oportunidades de melhoria. Solicite feedback das partes interessadas de toda a organização para garantir o alinhamento com as prioridades dos negócios.

  9. Formar Funcionários – Forneça formação para educar os funcionários sobre as suas funções e responsabilidades durante os incidentes de segurança. Enfatize a importância de relatar incidentes cibernéticos prontamente, seguindo os procedimentos de resposta estabelecidos em toda a empresa.

Ao tomar medidas proativas para se preparar para o inesperado, a sua organização pode minimizar o tempo de inatividade, as perdas financeiras e os danos à reputação, posicionando-se para o sucesso a longo prazo. A preparação é fundamental para atenuar o impacto dos incidentes e salvaguardar os interesses da sua organização e dos seus acionistas. Parabéns por ter começado! 

EasyVista

EasyVista is a global software provider of intelligent solutions for enterprise service management, remote support, and self-healing technologies. Leveraging the power of ITSM, Self-Help, AI, background systems management, and IT process automation, EasyVista makes it easy for companies to embrace a customer-focused, proactive, and predictive approach to their service and support delivery. Today, EasyVista helps over 3,000+ enterprises around the world to accelerate digital transformation, empowering leaders to improve employee productivity, reduce operating costs, and increase employee and customer satisfaction across financial services, healthcare, education, manufacturing, and other industries.