Report Gartner

Gartner® Market Guide 2023 para plataformas de IT Service Management 

Acesse seu
Portal do cliente agora!

Conecte-se com o
Suporte ao cliente agora!

Blog

Consulte o blog da EasyVista para se manter atualizado sobre as últimas notícias, tendências e melhores práticas em matéria de transformação digital. Deixe que a EasyVista o mantenha atualizado e na vanguarda de uma indústria em constante mudança.

Centro de Recursos

Temos o compromisso de fornecer recursos que o ajudem a atender a todas as suas necessidades de software ITSM.

Webinars e Eventos

Mantenha-se atualizado sobre nossos mais recentes webinars e eventos ITSM, ITOM ou ESM agora

As últimas novidades da EV

Mantenha-se atualizado sobre as últimas notícias e eventos da EasyVista.

EasyVista | 09 Fevereiro 2024

Criar Soluções Digitais para uma maior Acessibilidade

O principal objetivo da tecnologia é melhorar a vida das pessoas.  

Pode ser através de dinheiro, tempo economizado, qualidade de vida – qualquer coisa.  

A utilidade de uma tecnologia é diretamente proporcional à sua ampla disponibilidade — quantas pessoas podem entendê-la e interagir. 

Questões a considerar: 

  • Fácil de encontrar?   
  • Fácil de compreender?  
  • Fácil de utilizar para resolver o seu problema?  
  • Válido para todos, independentemente da identidade.

Estas perguntas não são pequenas. Mil milhões de pessoas em todo o mundo - 15% da população mundial - têm algum tipo de deficiência (segundo o worldbank.org).    

Para servir estes 15% da população, as tecnologias têm de ser acessíveis para maximizar a sua utilidade. Melhor ainda, as tecnologias podem tornar as atividades e soluções acessíveis em locais onde a acessibilidade seria impossível de outra forma.   

 Dito isto, existem regulamentos em alguns locais para a acessibilidade em aplicações de software - nós apoiamos isso. Mas porque queremos capacitar as pessoas com IT, fomos mais longe. Acreditamos que o objetivo principal da tecnologia é melhorar a vida das pessoas e queremos maximizar esse objetivo, maximizando o número de pessoas que pode ajudar. Este artigo explora o que é a tecnologia acessível, os regulamentos nos EUA e na Europa e as funcionalidades comuns de ITSM no software para pessoas com deficiência. 

 

O que é a tecnologia acessível?  

Já alguma vez tentou utilizar uma tecnologia e esta não era intuitiva, parecia estar avariada ou era simplesmente difícil de navegar? Isto pode ser verdade para qualquer pessoa, quanto mais para pessoas com deficiênci a. E as deficiências são de todo o tipo, mas todos temos pontos fortes e lacunas.  

Por vezes, a tecnologia pode ter barreiras desnecessárias que dificultam (ou impossibilitam) a sua utilização, o que é especialmente verdade para as pessoas com deficiência - tal como as barreiras físicas das bermas das estradas podem impedir que alguém com mobilidade limitada (como uma pessoa com poliomielite, alguém com problemas nos joelhos devido ao desporto ou uma pessoa em cadeira de rodas) aceda ao passeio. 

As tecnologias de acessibilidade e de assistência ajudam nesse sentido. A tecnologia está centrada na utilização de sistemas e ferramentas para pessoas com deficiência, para que possam aceder à informação (por exemplo, um website) tal como o faria uma pessoa sem deficiência. A acessibilidade na gestão de serviços de IT (ITSM) é a prática de criar e implementar serviços de IT concebidos e geridos para serem acessíveis a todos os utilizadores, independentemente de terem ou não uma deficiência. Cabe às equipas de IT considerar a forma de garantir que os seus serviços podem ser utilizados eficazmente por pessoas com diferentes capacidades.   

Devemos abordar as necessidades de acessibilidade que não são apenas específicas do ITSM. Muitos websites e apps partilham considerações de acessibilidade comuns que podem ser abordadas coletivamente.  

Barreiras comuns nos websites para pessoas com deficiência   

  • Vídeos sem legendas  
  • Fraco contraste de cores  
  • Falta de navegação por teclado  
  • Formulários em linha inacessíveis 

Exemplos comuns de acessibilidade digital    

  • Texto alternativo da imagem - Os itens gráficos (fluxogramas, gráficos, infografias) têm descrições de texto completas para os leitores de ecrã interpretarem para os utilizadores com deficiência visual  

  • Acessibilidade do teclado - Os website podem ser utilizados através de teclados para mudar de separadores e menus  

  • Hiperligações corretamente formatadas - As ligações e os formatos corretos promovem a legibilidade (utilizam uma linguagem normal), a clareza (identificam o conteúdo da ligação) e a distinção (distinguem a ligação do corpo do texto)  

  • Navegação fiável - Todas as páginas têm uma apresentação coerente e controlos de navegação semelhantes 

Funcionalidades ITSM acessíveis:   

  1. Layout da interface do usuário (UI): Interfaces fáceis de navegar e entender, com rótulos claros, navegação lógica e layouts consistentes.  

  2. Modos de entrada alternativos: Métodos de entrada alternativos (por exemplo, atalhos de teclado) para acomodar os utilizadores que têm dificuldade em utilizar um rato normal ou um painel tátil. 

  3. Alternativas de texto: Os conteúdos não textuais (por exemplo, imagens, vídeos e áudio) são acompanhados por alternativas de texto.  

  4. Compatibilidade com tecnologias de apoio: As ferramentas ITSM são compatíveis com tecnologias de assistência comuns, como leitores de ecrã (por exemplo, JAWS), lupas (por exemplo, ZoomText) ou software de reconhecimento de voz. 

  5. Considerações sobre cor e contraste: Evitar a dependência apenas da cor para transmitir informações e garantir um contraste de cor suficiente para os utilizadores com deficiências visuais. 

  6. Legibilidade: São utilizados tamanhos de letra adequados e tipos de letra legíveis. Estão disponíveis opções para ajustar o tamanho e o espaçamento do texto.

Normas tecnológicas de acessibilidade digital dos EUA e da Europa  

Embora não existam normas regulamentares para a tecnologia que todos os websites e sistemas tecnológicos em linha devam seguir nos Estados Unidos, existem algumas normas na Europa.   

Normas dos EUA   

Nos EUA, existem sugestões do Departamento de Justiça dos EUA para que a acessibilidade da Web se enquadre na sua interpretação das disposições relativas à não discriminação e à comunicação efectiva. As orientações e normas técnicas que utilizam são as Directrizes de Acessibilidade do Conteúdo da Web (WCAG) e as Normas da Secção 508 - que o governo federal utiliza para os seus websites. Dito isto, o Título III da ADA proíbe a discriminação contra pessoas com deficiência em "alojamentos públicos" (empresas abertas ao público). Assim, para se manterem em conformidade com a ADA, as empresas abertas ao público devem proporcionar um usufruto total e igual às pessoas com deficiência (incluindo websites e tecnologia).   

SUGESTÃO: O texto ALT é relevante para a acessibilidade que proporciona ao permitir que os leitores de ecrã compreendam o contexto das imagens numa página, mas também é utilizado pelos motores de busca para compreender o conteúdo - ajudando a melhorar a SEO de uma página. O texto ALT rico em palavras-chave pode ajudar as imagens a aparecerem na pesquisa de imagens do Google, gerando mais tráfego para uma página Web. 

Normas Europeias: EN 301 549  

Toda a tecnologia digital (por exemplo, website, software, apps, etc.) para empresas que vendem produtos digitais ou organizações públicas na Europa deve estar em conformidade com as normas de acessibilidade específicas enumeradas na norma EN 301 549. A base foi criada em 2018 e assenta nas Diretrizes de Acessibilidade para o Conteúdo da Web (WCAG). Todos os 28 Estados-Membros da União Europeia (UE), 3 países da Associação Europeia de Comércio Livre (EFTA) (Islândia, Noruega e Suíça) e 2 países candidatos à UE (Turquia e antiga República Jugoslava da Macedónia) adoptaram a norma. As empresas públicas que não cumpram a norma EN 301 549 enfrentam a possibilidade de sanções legais e coimas. Quanto às empresas do sector privado, podem ver as suas oportunidades de contratação limitadas. 

Princípios de acessibilidade digital  

As normas de acessibilidade da Web (que se encontram listadas abaixo), designadas pelo acrónimo POUR, baseiam-se nas WCAG:  

  • Percetível - A informação pode ser vista de diferentes formas? Por outras palavras, o utilizador pode ajustar o contraste da cor ou o tamanho da letra?  

  • Operável - A página Web pode ser utilizada com um teclado ou com comandos de voz se uma pessoa não puder utilizar um rato?  

  • Compreensível - A informação é clara e fácil de navegar?  

  • Robusto - O conteúdo pode ser interpretado por uma variedade de utilizadores e diferentes tipos de tecnologias de apoio?

Como é que a sua organização pode promover a acessibilidade digital no ITSM  

  • Rever as normas de acessibilidade  

    • Secção 508 - A Secção 508 exige o acesso de pessoas com deficiências físicas, cognitivas e sensoriais às TIC desenvolvidas e utilizadas pelas agências federais dos EUA (por exemplo, computadores, impressoras, websites e software). 

    • WACG 2 - Desenvolvidas através do processo W3C, as WCAG são uma norma técnica para ajudar os criadores de conteúdos Web (por exemplo, designers de websites) e os criadores de ferramentas de criação Web a compreender como tornar os conteúdos Web mais acessíveis a pessoas com deficiência.  

    • ADA - Embora a sua empresa possa não se enquadrar nos regulamentos federais, poderá ainda assim beneficiar da revisão da legislação do Título II e do Título III da ADA para compreender como o seu conteúdo Web pode ser mais acessível a pessoas com deficiência. 

  • Efetuar uma auditoria interna  

    • Antes de desenvolver algo para entidades externas, certifique-se de que os seus portais e plataformas internos são acessíveis a pessoas com deficiência. Ao efetuar uma auditoria interna, terá uma melhor compreensão de onde estão os seus pontos cegos, bem como do processo de melhoria da tecnologia para a tornar mais acessível.  

    • Curso de Introdução à Acessibilidade na Web - Este curso, organizado pela W3C (empresa que determina as WCAG), ajuda os utilizadores a desenvolverem conhecimentos básicos de acessibilidade digital para que os seus websites funcionem bem para pessoas com deficiência.

  • Desenvolver um plano  

    • Depois de perceber onde a sua empresa precisa de melhorar a acessibilidade digital para sistemas internos e externos, pode começar a planear e a orçamentar. Quem precisa de fazer o quê? O que precisa de ser feito primeiro (leia-se: o que é mais urgente)? Como é que esta revisão se enquadra na visão a longo prazo da empresa? 


A acessibilidade digital já não é apenas um requisito técnico. É fundamental. Qualquer empresa que pretenda criar uma presença digital justa, inclusiva e inovadora - especialmente tendo em conta que a maioria das coisas está a transitar para o panorama digital - precisa de atualizar a sua plataforma e as suas ferramentas. Se as pessoas com deficiência não conseguirem utilizar corretamente as suas soluções, está a dificultar-lhes a vida e, mais importante ainda, a perder clientes. Utilize a ADA, o WACG e todas as outras ferramentas disponíveis para ajudar a tornar o futuro das soluções de TI mais acessível! 

EasyVista

EasyVista is a global software provider of intelligent solutions for enterprise service management, remote support, and self-healing technologies. Leveraging the power of ITSM, Self-Help, AI, background systems management, and IT process automation, EasyVista makes it easy for companies to embrace a customer-focused, proactive, and predictive approach to their service and support delivery. Today, EasyVista helps over 3,000+ enterprises around the world to accelerate digital transformation, empowering leaders to improve employee productivity, reduce operating costs, and increase employee and customer satisfaction across financial services, healthcare, education, manufacturing, and other industries.